media

O design contemporâneo passou por uma crise a partir da década de 1960. Isso porque o capitalismo estava à frente no mercado, tornando o consumo descartável e as formas abstratas perdiam seu verdadeiro sentido dentro de seus conceitos transformadores.

A arquiteta Lina Bo Bardi, eternizada em obras como o MASP e o Sesc Pompéia, em São Paulo, quis remar contra a maré e freou seus projetos destinados a produção industrial em série. Este recorte é tema da mostra “O Impasse do Design - Mobiliário de Lina Bo Bardi: 1959 - 1992”, que reúne parte do acervo referente a este período no Instituto Lina Bo Bardi, sua antiga morada no Morumbi.  

Foi nesta época que Lina se dedicou ao desenvolvimento de mobiliário com técnicas e materiais simples, vinculado a seus projetos arquitetônicos. A exposição conta com 13 peças originais, fotografias, desenhos e documentos. 


Foto: divulgação

Vivendo em Salvador entre 1959 -1964, Lina buscou na simplicidade do pequeno artesão e morador do sertão um novo sentido para o design, fato este que se identifica com a maior motivação da Galeria Nacional: buscar e valorizar talentos ao redor do Brasil

Reunindo estudos da cultura popular, ela fez do Museu de Arte Moderna da Bahia - do qual foi diretora - um centro de formação em técnicas artesanais e desenho industrial. “Deveria surgir ali um novo design, autenticamente enraizado na capacidade das pessoas simples em produzir utensílios com o mínimo de recursos”, observa o curador Renato Anelli. A arquiteta já estudava o reuso de materiais descartados, como funis e latas, transformados em lamparinas e outros utensílios, o que mostrava a inteligência de um povo movido a poucos ou nenhum recurso.

Foto: divulgação 

A Galeria Nacional indica o passeio, independente da mostra. A Casa de Vidro, como é chamado o Instituto, é um verdadeiro oásis silencioso no meio da metrópole, além de ser um grande legado arquitetônico de Lina. 


Lina Bo Bardi e A Casa de Vidro (foto: Peter C. Scheier)

“A beleza em si não existe. Existe por um período histórico, depois muda o gosto. Eu procurei, no Museu de Arte de São Paulo, retomar certas posições. Não procurei a beleza, procurei a liberdade. Os intelectuais não gostaram, o povo gostou: ‘Sabe quem fez isso? Foi uma mulher!’”

O Impasse do Design: Mobiliário de Lina Bo Bardi (1959 - 1992) | até 31.07.16

Casa de Vidro
Rua General Almério de Moura 200 – Morumbi
Quinta a domingo das 10h às 16h (com permanência até ás 16h30)
Informações:  [email protected]



comentários: 0

esta postagem ainda não possui comentários

deixe um comentário

seu endereço de email não deverá ser publicado. os campos obrigatórios estão marcados*